quinta-feira, 16 de setembro de 2010

«São-lhe perdoados os seus muitos pecados»


24ª semana do Tempo Comum

Hoje a Igreja celebra : S. Cornélio, papa, mártir, +253, S. Cipriano, bispo, mártir, +258

Evangelho segundo S. Lucas 7,36-50.

Um fariseu convidou-o para comer consigo. Entrou em casa do fariseu, e pôs-se à mesa. Ora certa mulher, conhecida naquela cidade como pecadora, ao saber que Ele estava à mesa em casa do fariseu, trouxe um frasco de alabastro com perfume. Colocando-se por detrás dele e chorando, começou a banhar-lhe os pés com lágrimas; enxugava-os com os cabelos e beijava-os, ungindo-os com perfume. Vendo isto, o fariseu que o convidara disse para consigo: «Se este homem fosse profeta, saberia quem é e de que espécie é a mulher que lhe está a tocar, porque é uma pecadora!» Então, Jesus disse-lhe: «Simão, tenho uma coisa para te dizer.» «Fala, Mestre» respondeu ele. «Um prestamista tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos denários e o outro cinquenta. Não tendo eles com que pagar, perdoou aos dois. Qual deles o amará mais?» Simão respondeu: «Aquele a quem perdoou mais, creio eu.» Jesus disse-lhe: «Julgaste bem.» E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: «Vês esta mulher? Entrei em tua casa e não me deste água para os pés; ela, porém, banhou-me os pés com as suas lágrimas e enxugou-os com os seus cabelos. Não me deste um ósculo; mas ela, desde que entrou, não deixou de beijar-me os pés. Não me ungiste a cabeça com óleo, e ela ungiu-me os pés com perfume. Por isso, digo-te que lhe são perdoados os seus muitos pecados, porque muito amou; mas àquele a quem pouco se perdoa pouco ama.» Depois, disse à mulher: «Os teus pecados estão perdoados.» Começaram, então, os convivas a dizer entre si: «Quem é este que até perdoa os pecados?» E Jesus disse à mulher: «A tua fé te salvou. Vai em paz.»

Comentário ao Evangelho do dia feito por :

Autor siríaco anónimo do século VI
Homilias anónimas sobre a pecadora, 1, 4.5.19.26.28 (a partir da trad. F. Graffin, em L'Orient syrien, 7, 1962, in Delhougne, Les Pères commentent, pp. 410-411)

«São-lhe perdoados os seus muitos pecados»

O amor de Deus que sai à procura dos pecadores é-nos proclamado por uma mulher pecadora. Pois ao chamá-la, é toda a nossa raça que Cristo convida ao amor; e na sua pessoa são todos os pecadores que Ele atrai ao Seu perdão. Ele falava apenas com ela, mas convidava a criação inteira para a Sua graça. [...]

Quem não se sentirá tocado pela misericórdia de Cristo, que para salvar uma pecadora aceitou o convite de um fariseu? Por causa daquela que tem fome de perdão, Ele quer ter fome da mesa de Simão, o fariseu, pois sob a aparência de uma mesa de pão tinha preparado para a pecadora uma mesa de arrependimento. [...]

Para que o mesmo se passe contigo, toma consciência de que o teu pecado é grande, mas de que desesperar do perdão porque o teu pecado te parece demasiado grande é blasfemar contra Deus e ferires-te a ti mesmo. Porque se Ele prometeu perdoar-te os teus pecados qualquer que seja o seu número, como podes dizer-Lhe que não acreditas n'Ele e declarar: «O meu pecado é demasiado grande para que possas perdoar-mo. Tu não podes curar-me das minhas doenças»? Pára e grita com o profeta: «Pequei contra Ti, Senhor» (Sl 50, 6). E Ele responder-te-á de imediato: «Eu já te perdoei o teu pecado; não morrerás». A Ele seja dada glória por todos nós, pelos séculos dos séculos. Ámen.

Nenhum comentário:

Postar um comentário