sexta-feira, 8 de outubro de 2010

O dedo de Deus


O homem é uma combinação de alma e de carne, uma carne formada por semelhança com Deus, modelada pelas duas Mãos de Deus, ou seja, pelo Filho e o Espírito, aos Quais Ele disse: «Façamos o homem» (Gn 1, 26). [...]

Mas como podes ser divinizado, se ainda não és homem? Como podes ser perfeito, se ainda mal foste criado? Como serás imortal tu que, na natureza mortal, não obedeceste ao teu Criador? [...] Visto que és obra de Deus, espera pacientemente pela Mão do teu Artista, que faz todas as coisas em tempo oportuno. Apresenta-Lhe um coração manso e dócil, e mantém a forma que este Artista te concedeu, conservando em ti a água que Dele provém e sem a qual te tornarás rígido, acabando por rejeitar a marca dos Seus dedos.

Se te deixares formar por Ele, ascenderás à perfeição, pois por esta arte de Deus será ocultada a argila que existe em ti; foi a Sua Mão que criou a tua substância. [...] Se, porém, te tornares rígido, recusando a Sua arte e mostrando-te desagradado com o que Ele fez em ti, terás rejeitado, pela tua ingratidão para com Deus, não apenas a Sua arte, mas a própria vida; porque formar é próprio da bondade de Deus e ser formado é próprio da natureza do homem. Se, pois, te entregares a Ele, dando-Lhe a tua fé e a tua submissão, receberás os benefícios da Sua arte e serás uma obra perfeita de Deus. Se, pelo contrário, resistires e fugires às Suas Mãos, a causa da tua imperfeição residirá, não Nele, mas em ti, que não obedeceste.

Santo Ireneu de Lião (c. 130-c. 208), bispo, teólogo e mártir
Contra as heresias IV, Pr 4; 39, 2 (a partir da trad. SC 100 rev.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário