segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Muitas almas irão para o inferno por não haver quem se sacrifique e reze por elas

Naquele domingo ensolarado de 19 de agosto de 1917, Lúcia, Francisco e seu irmão João foram pastorear. No caminho para Valinhos, Lúcia sentiu que algo de sobrenatural estava para acontecer. Achando que Nossa Senhora iria aparecer, João, rapidamente, chamou a irmãzinha, Jacinta. Efetivamente, Maria surgiu envolta por um reflexo de luz, mas aguardou a chegada da pequena Jacinta, antes de se mostrar, entre as folhas da azinheira. A Senhora lhes disse, então: "Quero que continueis a vir à Cova da Iria, a cada dia 13, e que continueis a rezar o terço todos os dias. No último mês, farei o milagre, para que todos creiam. Se vocês não tivessem sido presos na cidade, o milagre teria sido mais divulgado. São José virá com o Menino Jesus para levar a paz ao mundo. Nosso Senhor vira abençoar o povo. Nossa Senhora do Rosário e Nossa Senhora das Dores também estarão aqui." Lúcia perguntou, então: - O que é que Vossemecê quer que se faça com o dinheiro que o povo deixa na Cova da Iria? - Desejo que façam dois andores: um, leva-o tu com a Jacinta e mais duas meninas, as três vestidas de branco; o outro, que o leve Francisco com mais três meninos. O dinheiro dos andores é para a festa de Nossa Senhora do Rosário e o que sobrar é para a construção de uma capela que deverá ser construída. Lúcia pediu: - Eu gostaria de vos pedir a cura de alguns enfermos. E Maria a atendeu: - Sim, alguns eu irei curar, neste mesmo ano. - E, tomando um aspecto mais triste, Nossa Senhora acrescentou: - Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, pois muitas almas vão para o inferno por não haver quem se sacrifique e reze por elas." Os Pastorinhos de Fátima eram tão convincentes no que se referia aos pedidos de Nossa Senhora que, logo no ano seguinte, em julho de 1918, a festa de Nossa Senhora do Rosário foi realizada e, em agosto do mesmo ano, a primeira capela começou a ser construída, conforme pedira a Santa Mãe de Deus. (Memórias da Irmã Lúcia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário